quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Entre evangélicos, apenas Manoel Ferreira apoia Dilma; Aécio recebe apoio de Robson Rodovalho e Renê Terra Nova


Com a proximidade do fim da campanha eleitoral, os apoios políticos de lideranças evangélicas aos dois candidatos a presidente da República vão sendo definidos e o atual cenário é que apenas o bispo Manoel Ferreira, da Assembleia de Deus em Madureira, manifestou simpatia a Dilma Rousseff (PT).

Aécio Neves (PSDB) tem recebido apoio de líderes evangélicos desde a definição de que ele seria o adversário de Dilma no segundo turno. No último domingo, 12 de outubro, Marina Silva (PSB), terceira colocada nas eleições, manifestou seu apoio formal à candidatura do senador mineiro.

No primeiro turno, Marina se tornou favorita a receber os apoios dos evangélicos caso chegasse ao segundo turno. Como a ex-senadora foi vencida por Aécio nas urnas, os pastores Silas Malafaia, Marco Feliciano (PSC), Valnice Milhomens e Augustus Nicodemus Lopes manifestaram seus votos no tucano.

O pastor Everaldo Pereira (PSC), que disputou o primeiro turno e ficou em quinto lugar, também declarou seu apoio a Aécio Neves, juntamente com outros partidos que eram concorrentes antes.

Agora, outros líderes evangélicos têm manifestado seu apoio a Aécio, como o bispo Robson Rodovalho, da igreja Sara Nossa Terra, e o apóstolo Renê Terra Nova, do Ministério Internacional da Restauração (MIR), segundo informações do jornal Estado de Minas.

Já Dilma Rousseff conta com o apoio declarado de Manoel Ferreira, e nos bastidores, comenta-se que o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, também seja favorável à reeleição da presidente.

No entanto, Macedo ainda não falou abertamente sobre seu voto e chegou a publicar um artigo escrito por uma colaboradora com severas críticas ao atual governo e orientando os fiéis a escolherem o voto com cautela, levando em consideração as propostas para o país.
Debate na Band

Ontem a Band realizou o primeiro debate do segundo turno, e os candidatos Dilma e Aécio estiveram frente a frente, com liberdade de escolha dos temas a serem discutidos.

O formato do programa permitia que Dilma e Aécio escolhessem os temas que queriam perguntar um ao outro, sem intervenção do mediador, o jornalista Ricardo Boechat.



A troca de farpas e críticas entre os dois foi intensa e houve momentos de tensão, porém o debate de ideias a serem implementadas nos próximos anos ficou prejudicado por conta dos ataques de ambos os lados.

A Band registrou média de 11 pontos de audiência no Ibope, contra 14 da Globo. De acordo com o jornalista Lauro Jardim, o número de espectadores do debate foi o dobro do registrado no primeiro turno.

Fonte: Gospel +

Total de visualizações de página