quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

A catastrófica precipitação de um deputado federal


Vejam o que acontece quando não nos acercamos dos detalhes das coisas e já saímos comentando o fato que ainda não teve sua elucidação consumada.
Leia abaixo parte do texto escrito pelo deputado Jean Wyllys sobre a morte do jovem Kaique Augusto Batista dos Santos:
"Como eu já escrevi tempo atrás, em ocasião de outros assassinatos como este, em cada caso aparece, como pano de fundo, o discurso de ódio alimentado por igrejas caça-níquel e pela bancada fundamentalista no Congresso federal, que em 2013 ganhou de cínico presente, com o apoio da bancada governista, a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. É claro que a violência é praticada por pessoas violentas e os agressores são responsáveis por seus atos, mas não é por acaso que as vítimas dessas agressões sejam, repetidamente, jovens homossexuais, e que muitas vezes as pancadas venham acompanhadas por citações bíblicas. A culpa não é da Bíblia, mas dos charlatães que, em nome de uma fé que não têm, distorcem seu texto e seu contexto para usá-la contra a população LGBT, pregando o ódio e convocando a violência. Eles fazem isso por dinheiro e poder — ou você acha que realmente acreditam em alguma coisa? — e o resultado é um país que já se acostumou a assistir no Jornal Nacional à morte de mais um jovem gay, mais uma jovem lésbica, mais uma travesti ou uma pessoa transexual, vítimas do ódio irracional que os fundamentalistas promovem".
Leia na íntegra o texto do deputado no site Carta Capital, clique aqui!
A verdade
A mãe do jovem gay, ao lado do advogado que cuida dos interesses da família, Ademar Gomes, pediu desculpas à polícia –que desde o início tratava a possibilidade de suicídio como a principal linha de investigação da morte de Kaique–, por ter sugerido que as autoridades resistiam em considerar a hipótese de crime de homofobia. "Estou convicta de que foi suicídio", disse. ( Leia mais, clique aqui! )
O que diz o deputado Jean agora? Que lambança heim Wyllys? Dessa vez não deu para fazer mídia não é? Não dá para tirar proveito da desgraça desse jovem não é meu caro deputado? Seu juízo foi precipitado, e o tiro saiu pela culatra.
Se o deputado tiver bom senso, virá a público pedir perdão ao povo evangélico por suas palavras injuriosas e caluniadoras, mas, admitir o erro, talvez não faça parte de sua agenda.
Robson Aguiar, pr.

Total de visualizações de página