quinta-feira, 22 de maio de 2014

Pastor Eurico critica Xuxa, é chamado de intolerante e expulso da CCJ pelo PSB, em discussão da lei da palmada


O líder do Partido Socialista Brasileiro (PSB) na Câmara, deputado federal Beto Albuquerque (RS), anunciou na tarde desta quarta-feira (21) que destituiu o deputado Pastor Eurico (PSB-PE) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa devido à "forma intolerante" pela qual ele se manifestou em relação à apresentadora Xuxa Meneghel.

Pela manhã, Xuxa participou de sessão da CCJ que discutiu o projeto que proíbe pais e responsáveis legais por crianças e adolescentes de baterem nos menores, a chamada Lei da Palmada. Contrários ao projeto, integrantes da bancada evangélica fecharam um acordo que adiaria mais uma vez a análise do texto.

Durante a sessão, Pastor Eurico criticou a presença de Xuxa na comissão. Ele afirmou que, "em 1982, ela cometeu a maior agressão contra crianças", em referência à participação da apresentadora, como atriz, no filme "Amor, Estranho Amor". Xuxa não respondeu às críticas do deputado. Em um momento, ela sorriu para ele e fez sinal de um coração com as mãos.

Em razão do episódio, o PSB substituiu Pastor Eurico na comissão pelo deputado Júlio Delgado (PSB-MG).

"A decisão foi tomada em função da postura adotada pelo parlamentar durante a reunião ordinária desta quarta-feira (21), na qual o mesmo se pronunciou de forma intolerante, desrespeitosa e desnecessariamente agressiva em relação à Sra. Xuxa Meneghel, presente à reunião na condição de convidada", diz o texto da nota divulgada pela liderança da bancada.

Segundo a nota, a conduta de Pastor Eurico "não representa sobremaneira o pensamento do PSB e manifestamos nosso apreço e respeito pelo empenho da referida artista, que deseja aprovar a lei que propõe a cultura da não agressão".

Cura gay

Uma proposta de arquivamento de um projeto do deputado Pastor Eurico será analisada pelo Conselho de Ética do PSB. O parlamentar reapresentou o projeto, que já tinha sido arquivado na Câmara, no ano passado, por decisão do plenário.

O projeto derruba resolução de 1999 do Conselho de Psicologia que proíbe tratamentos destinados a "reverter a homossexualidade". Na justificativa da proposta, o parlamentar diz que "pessoas que desejam deixar a homossexualidade deveriam ter direito a acolhimento e ajuda profissional".
 G1 com adaptações
Fonte:http://www.franciscoevangelista.com/

Total de visualizações de página