quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Igreja mórmon admite que seu fundador teve 40 mulheres e classifica conduta como “abominável”


A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, mais conhecida como mórmon, desmentiu uma versão oficial mantida por ela mesma por quase 200 anos sobre seu fundador, Joseph Smith, e admitiu que ele se casou com 40 mulheres.

Nos últimos dois séculos a igreja mórmon divulgou a versão de que Smith era monógamo, apesar de a própria denominação aceitar, nos dias de hoje, a poligamia. Recentemente um mórmon que se casou com uma prima e duas irmãs gêmeas tornou-se notícia no mundo inteiro.

De acordo com o jornalista Eric M. Johnson, da agência de notícias Reuters, a igreja mórmon “tem tentado esclarecer certos aspectos de sua história, incluindo a poligamia praticada por Smith e Brigham Young, que ajudou a fundar a cidade de Salt Lake City, no Estado norte-americano de Utah”, onde está a sede da denominação.

Um documento da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias divulgado recentemente afirma que “Joseph [Smith] teve várias esposas adicionais e autorizou outros santos dos últimos dias a praticar o casamento plural”.

O relatório sobre a poligamia divulgado pela igreja mórmon chama-se “Casamento Plural em Kirtland e Nauvoo”, e determinado trecho do texto diz “estimativas cuidadosas colocam o número [de esposas de Smith] entre 30 e 40”, incluindo uma adolescente de 14 anos e algumas mulheres que já eram casadas com membros da denominação.

As polêmicas na igreja mórmon não se resume à poligamia. No começo, mulheres tinham atuação limitada e até 1978 negros não podiam ocupar altos cargos hierárquicos. Já os homossexuais eram banidos dos cultos se fosse comprovado que tinham vida sexual ativa.
“O casamento plural era difícil para todos os envolvidos. Para Emma, esposa de Joseph Smith, era uma provação abominável”, diz um trecho do documento da igreja mórmon.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias foi fundada em 1830, e deixou de incentivar a poligamia em 1890, quando o governo dos Estados Unidos ameaçou destituir Utah da condição de estado caso as famílias poligâmicas continuassem se formando sem intervenção das autoridades locais, segundo informações da revista Exame.

Fonte: Gospel +

Total de visualizações de página