quinta-feira, 27 de novembro de 2014

O que a Bíblia diz sobre a homossexualidade?


Por Michael L. Brown

 Uma noite eu estava lendo as histórias de pessoas que haviam deixado a igreja porque achavam que Deus as odiava, simplesmente porque foram atraídas para outras do mesmo sexo. Eu estava tão tomado pela emoção que coloquei o livro de lado, sozinho no quarto, cai de joelhos e chorei. A dor desses homens e mulheres para quem Jesus morreu era palpável e comovente.

 Será que temos vindo a interpretar mal as Escrituras quando se trata de sua salvação? Pode ser que haja alguma nova compreensão da Bíblia que nos permitem afirmar relacionamentos comprometidos, do mesmo sexo? 

Se não, isso significa que nós dizemos a uma menina de 15 anos de idade que se identifica como lésbica: “Se você quer seguir Jesus, vai ter que ser celibatária para o resto de sua vida, nunca desfrutar da companhia de um cônjuge e abster-se de sexo para a vida?” Será que dizer a ela: “Se você quer se casar, vai ter que encontrar uma maneira de ser atraída por um homem?” É essa a boa notícia do evangelho?

 Uma série de livros, vídeos, artigos e blogs que nos dizem que, na verdade, que não é o evangelho, e que a boa notícia de Jesus é que você pode segui-lo e desfrutar de uma relação homossexual comprometida também. E alguns dos autores desses livros, vídeos, artigos e blogs afirmam estarem comprometidos com os princípios cristãos.

Como podemos resolver isso?

 Realmente não é tão difícil. A Palavra de Deus é “lâmpada para nossos pés e luz para o nosso caminho” (Sl 119.105). Ela é “viva, eficaz e mais penetrante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, das articulações e das medulas, e discerne os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4.12-13). 

Se vamos nos humilhar diante do Senhor, mantendo nosso foco em Jesus e pedir ao Pai que nos dê o Seu coração para aqueles que se identificam como LGBT, deixando o testemunho inequívoco das Escrituras nos guiar, vamos encontrar clareza. 

Então, o que a Palavra de Deus diz sobre a prática homossexual?

 Aqui estão cinco verdades simples que ajudarão a separar a verdade do erro, e a revelação bíblica da emoção. Para aqueles que querem um tratamento mais aprofundado, por favor, veja o meu livro mais recente, Can You Be Gay and Christian? (“Você pode ser gay e cristão?”).

 1) O testemunho da Escritura permanece inalterado: A Bíblia proíbe a prática homossexual.

 É claro que a grande maioria das pessoas que mudaram suas opiniões sobre o que a Bíblia diz sobre a homossexualidade e agora acredita em “cristianismo gay” têm feito com base tanto em seus próprios desejos do mesmo sexo e atrações ou sua interação com os “cristãos gays” (ou com qualquer pessoa gay ou lésbica que desafia os seus pressupostos).

 Em outras palavras, não mudaram seu pensamento com base no estudo das Escrituras por si só, uma vez que nenhum novo textual, descobertas arqueológicas, sociológicas, antropológicas ou filológicas foram feitas nos últimos 50 anos, que iria causar-nos a ler qualquer um desses textos bíblicos de forma diferente.

 Dito de outra forma, não é que nós ganhamos alguns novos insights sobre o que o texto bíblico significa com base no estudo do texto hebraico e grego. Em vez disso, a interação das pessoas com a comunidade LGBT levou-as a compreender o texto bíblico de forma diferente. Isso significa que, ao invés de interpretar a sua sexualidade através das lentes das Escrituras, estão interpretando as Escrituras através da lente de sua sexualidade. Este é um caminho garantido para o engano.

 A Palavra de Deus, que representa o coração e para a Sua criação, é absolutamente clara sobre o assunto, que proíbe todas as formas de prática homossexual. Isso é tão claro que uma série de teólogos gays e lésbicas reconhecem que só pode justificar “o cristianismo gay”, rejeitando a plena autoridade das Escrituras.

 2) A Bíblia é um livro heterossexual. 

Teólogos gays muitas vezes fazem referência ao chamado “espancar passagens” nas Escrituras, dizendo que a igreja tem usado os principais versos para bater-lhes sobre a cabeça com a Bíblia.
 Eles levantam dois principais argumentos contra o uso destes versos. 

Primeiro, eles afirmam que os versos foram mal traduzidos, mal interpretados ou mal utilizados e, portanto, na realidade, estas Escrituras não proíbem compromissos, relações homossexuais monogâmicas. No entanto, eles não podem oferecer qualquer nova evidência para apoiar esta afirmação, uma vez que não existe nenhuma.

Em segundo lugar, e talvez mais importante, eles apontam que, dos mais de 31.000 versículos da Bíblia, há entre seis e oito “passagens contrárias”, constituídas por um total de menos de 25 versos. 

Quão importante pode realmente ser? E por que a igreja faria um negócio tão grande sobre algo que a Palavra de Deus dificilmente aborda? Não é esta a evidência de atitudes homofóbicas na igreja, em vez de uma representação cuidadosa do coração de Deus, expressa em Sua Palavra?

 Meu amigo, Larry Tomzcak, autor e comentarista cultural, oferece uma ilustração útil que coloca o chamado “espancar passagens” em um contexto maior. 

Vamos dizer que você compra um novo livro de receitas, com receitas de sobremesas saudáveis, e nenhuma das quais usam açúcar. Na introdução do livro, o autor explica suas razões para evitar produtos de açúcar, dizendo que você vai encontrar esplêndidas receitas de sobremesas doces, mas tudo sem açúcar. E assim, durante todo o resto do livro, a palavra açúcar não é encontrada uma única vez.

 Seria correto concluir que evitar o açúcar não era importante para o autor? Ao contrário, era tão importante que cada receita única no livro não faz nenhuma menção de açúcar.

 É exatamente o mesmo quando se trata da Bíblia e homossexualismo.

 Há algumas referências, muito fortes, muito claras, à prática homossexual, cada uma delas decididamente negativa e, em seguida, não há uma única referência à prática homossexual em todo o resto da Bíblia. Não é parte da “receita” de Deus para a humanidade.

Do começo ao fim das Escrituras, os únicos relacionamentos aceitáveis aos olhos de Deus ou considerados normais para a sociedade foram as relações heterossexuais, e assim a prática homossexual é irrelevante (porque não tem nada a ver com as relações do casamento, da família e da sociedade ordenadas por Deus) ou , se mencionado, explicitamente condenado. 

Para dar apenas um exemplo entre centenas, quando um casal gay lê a Palavra de Deus, e eles vêm para o texto de Paulo em Efésios 5.22,25: “As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor”. “Maridos, amai vossas mulheres, como Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela”, não pode, conforme essas palavras, se relacionar da forma como um casal heterossexual se relaciona, já que não têm uma verdadeira relação de marido e mulher.

 No entanto, esses são os únicos tipos de relacionamentos amorosos e sexuais de que Deus fala, e que é o único tipo de casamento que Ele reconhece ou abençoa: um homem e uma mulher se unindo em um compromisso de vida diante dEle.

 3) A complementaridade entre os sexos é de importância fundamental. 

Apesar das tentativas recentes de minimizar esta verdade, a complementaridade masculino-feminino é parte do projeto fundacional de Deus.

 É como vemos em Gênesis 1-2, de Adão que Deus formou Eva, e os dois complementando exclusivamente um ao outro, a tal ponto que quando Adão vê seu cônjuge de contrapartida, ele exclama: “Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; ela será chamada mulher [hebraico ‘ishah], porque foi tirada do homem [‘ ish]” (Gn 2.23).

 Como estudioso do Velho Testamento Gordon Wenham, observa que “Em êxtase homem explode em poesia ao encontrar sua companheira perfeita”.

 E isso é o que não pode faltar: É porque a mulher foi tirada do homem que o próximo versículo diz o seguinte: “Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e apegar-se a sua mulher, e eles se tornarão uma só carne” (Gn 2.24). 

Genesis está nos ensinando que porque a mulher foi tirada do homem, os dois agora estão unidos, juntos como um só em união conjugal, cada um completando o outro exclusivamente. E note: Não há uma palavra aqui ainda sobre a reprodução ou procriação, simplesmente sobre a união (mesmo que a procriação é o resultado pressuposta).

 Apenas um homem e uma mulher podem ser unidos, juntos neste caminho.

 Um homem mais um homem, ou uma mulher mais uma mulher, não podem compartilhar a mesma união como um homem e uma mulher, uma vez que eles não compartilham o essencial da mesmice e diferença fundamental.

.Para reformular o famoso axioma de John Gray, ou seja, que os homens são de Marte e mulheres são de Vênus, Marte ou Vênus + Marte + Vênus não pode sempre igual Marte + Vênus.

 E nas palavras de um homem que viveu como homossexual toda a sua vida (hoje com mais de 70), mas recentemente encontrou o Senhor: “Mesmo um ateu pode entender a falta de complementaridade anatômica e de propósito, portanto, biológico para sexualidade em homem com homem, ou mulher com mulher”. 

4) Jesus conhecia exatamente o íntimo das pessoas, incluindo a sua “orientação sexual”. 

Dizem-nos hoje que os autores bíblicos não entendiam de orientação sexual e que não tinham noção das práticas cometidas, relações com pessoas do mesmo sexo. Somos informados que os autores bíblicos rejeitaram, eram relações homem-menino, ou a prostituição masculina, ou promiscuidade homossexual.

 Todas essas práticas pecaminosas certamente foram rejeitadas, mas os autores bíblicos, como Paulo certamente estavam cientes de longo prazo, das relações homem-homem.

 Mais importante, Hebreus 4.13 afirma que “nenhuma criatura está oculta aos olhos [de Deus], mas todos estão nus e expostos aos olhos daquele a quem temos de prestar contas”. E é esse Deus que inspirou os escritores da Bíblia. Teólogos gays estão dispostos a dizer que o próprio Senhor não entende conceitos modernos como “orientação sexual” ainda em evolução?

 E eles estão dispostos a dizer que o Senhor Jesus, que, literalmente, olhou para os corações e as almas dos seres humanos – ( João 2.25 diz que ele sabia o que havia no homem ) – não entendia que certas pessoas eram “gay”? Nós não estamos falando sobre os escritores da Bíblia compreender a ciência moderna. Nós estamos falando sobre eles – incluindo o próprio Jesus – entender a natureza humana.

 Para todos os que professam ser cristão gay, eu peço para ficar a sós com Deus e pergunte a si mesmo: “Será que Deus criou-me e projetou-me para estar com o mesmo sexo ou com o sexo oposto?” 

5) O evangelho traz uma boa notícia para os homens e mulheres homossexuais.

 Teólogos gays dizem-nos que a mensagem do evangelho tradicional é uma “árvore má”, trazendo o mau fruto da depressão, apostasia e até mesmo o suicídio entre os homens e mulheres homossexuais.

 Ao contrário, a mensagem do evangelho traz perdão, liberdade, esperança e libertação, como incontáveis milhares de ex-gays podem atestar, por que eu quero dizer seguidores de Jesus que já não praticam a homossexualidade. Alguns deles até mesmo se tornaram heterossexuais, mas mesmo aqueles que não alcançaram uma mudança em seus desejos sexuais encontraram plenitude e satisfação no Senhor.

 Nas palavras de Sam Allberry, um pastor inglês que ainda se sente atraído pelo mesmo sexo, está vivendo uma vida santa de celibato: “Cada cristão chamado ao sacrifício custoso Negar a si mesmo, não significa ajustar o seu comportamento aqui e ali, mas está dizendo ‘Não’ para o seu sentido mais profundo de quem é, por amor de Cristo. “Ocupar uma cruz é declarar sua vida (como você a conheceu) perdida. É que estabelece sua vida pela simples razão de que a sua vida, ao que parece, não é sua em tudo. Ela pertence a Jesus. Ele fez isso. E através de sua morte, ele a comprou”. 

Allberry é frequentemente solicitado, “Mas não é mais difícil para alguém que é gay?” Sua resposta é clara: “O evangelho exige tudo de todos nós. 

Se alguém pensa que o evangelho de alguma forma será encaixado em sua vida com bastante facilidade, sem causar grandes ajustes ao seu estilo de vida ou aspirações, é provável que não tenha realmente começado a seguir Jesus em tudo. E, assim como o custo é o mesmo para todos nós, assim também são as bênçãos”. (Para saber mais sobre Allberry, leia “Is God Anti-Gay?” – Deus é Anti-Gay?) 

Para cada pessoa que tem atração pelo mesmo sexo, encorajo a não se definir por seus desejos, mas para colocar todo o seu esforço em conhecer a Deus e buscar intimidade com Ele um dia de cada vez; não reescrever a Bíblia de acordo com suas atrações sexuais, mas lançando-se sobre a bondade e a misericórdia de Deus. O encontro com Deus é absolutamente confiável, compreensão total e mais do que suficiente para atender todas as suas necessidades.

 Vamos, então, não vacilar em nossa posição bíblica, sabendo que é a verdade que liberta as pessoas (João 8.31-32).

 Michael L. Brown 
é autor de Can You Be Gay and Christian? Responding With Love and Truth to Questions About Homosexuality (Você Pode Ser Gay e Cristão? Respondendo Com Amor e Verdade a perguntas sobre homossexualidade) e apresentador do nationally syndicated talk radio show The Line of Fire on the Salem Radio Network. FIRE School of Ministry and director of the Coalition of Conscience.


 Texto original: What the Bible Really Says About Homosexuality Tradução: Paulo Pontes / Seara News Fonte: Charisma News - See more at: http://searanews.com.br/o-que-a-biblia-diz-sobre-a-homossexualidade/#sthash.kEUJa2m1.dpuf

Total de visualizações de página