terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Nas Maldivas quem se torna cristão é expatriado


Quem olha as belezas naturais das Ilhas Maldivas não imagina que só pode viver lá quem for muçulmano. Oficialmente não há um único cristão no país, pois os que decidem seguir a Cristo são expatriados.
Segundo a Classificação da Perseguição Religiosa de 2016, organizada pelo Portas Abertas, a Maldivas é o 13º mais perigoso para os cristãos.
O governo protege o islã e quem não segue essa religião e quer adorar a Deus, acaba se arriscando e frequentando cultos em igrejas subterrâneas.
Em meio ao medo, os cristãos encontram forças na fé para continuarem firmes. “Jesus dá-me forças para suportar tudo em seu nome. Essa é minha oração diária. E por que não devo estar feliz? Eu encontrei a paz por meio dele”, compartilha um cristão maldivo secreto.
Segundo o Portas Abertas, a “pressão psicológica e moral é praticada dentro de casa e na comunidade de forma tão eficaz que nenhuma outra violência se faz necessária para inibir o crescimento da comunidade cristã”.
Quem é descoberto precisa fugir para o exterior, deixando família, amigos, bens e trabalho para trás.

Total de visualizações de página