terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

No Brasil, líder dos ortodoxos defende “união das religiões”


O papa Francisco e o Patriarca Kirill, líder da Igreja Ortodoxa Russa, se reuniram em Cuba na semana passada. Esse foi um passo histórico na restauração entre os ramos ocidental e oriental do cristianismo. Para muitos estudiosos, uma aproximação rumo a uma religião única.
A divisão dos ortodoxos e católicos ocorreu no ano de 1054 e foi causado por diferenças teológicas e uma disputa de poder entre seus líderes em Roma e Constantinopla (atual Istambul).
No 12 de fevereiro foi a primeira vez na história em que se reuniram um papa católico romano e um patriarca ortodoxo russo para tratar de questões da igreja. Os ortodoxos gregos já possuem uma relação mais próxima com o Vaticano.
A visita de Kirill às Américas incluiu, além de Cuba, visitas a Paraguai e Chile. Ela termina no Brasil, onde os ortodoxos russos são cerca de 4.000, a maioria no estado de São Paulo. São três dias em solo brasileiro, que incluiu um encontro em Brasília com a presidente Dilma Rousseff, na sexta (19).
O patriarca ortodoxo russo realizou uma cerimônia aos pés do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, neste sábado. Ele pediu a união de “todas as pessoas e civilizações, seja qual for sua fé, para acabar com os conflitos e a perseguição dos cristãos que ocorrem atualmente no mundo”.
Em sua prédica, Kiril lembrou que ortodoxos e católicos ainda possuem diferenças em doutrina, mas “podemos trabalhar conjuntamente… para pôr fim à descristianização da civilização humana no século XXI”. Ressaltou que seu pedido estava dirigido a todas as pessoas de boa vontade, “muitas delas pertencentes a outras religiões, confissões ou que inclusive perderam sua fé”.
Presente no ato ecumênico realizado no Corcovado, o arcebispo do Rio de Janeiro, dom Orani Tempesta, celebrou a visita do patriarca de Moscou e de toda Rússia ao Brasil. Considera isso um “anúncio de unidade e paz”, e assegurou que o trabalho conjunto com os católicos poderá “evitar guerras no futuro”.
O líder mundial dos ortodoxos russos alertou ainda que a falta de união dos países para combater o terrorismo só aumenta o temor da população de uma “grande guerra”.
“Precisamos manter intacto nosso sentimento moral, porque só a lei moral que foi dada por Deus pode servir para um consenso da humanidade e pode servir de base para nossa união em nome de um futuro melhor para nossos povos e toda a raça humana”, assegurou.
Para ele, além da perseguição aos cristãos, o aumento dos abortos e do número de divórcios estão “perdurando o pecado do homem”.
O patriarca Kirill fez uma visita a um templo ortodoxo no Rio de Janeiro e hoje esta em São Paulo, onde conduzirá uma liturgia magna na Catedral Ortodoxa Antioquina, além de visitar a Igreja Ortodoxa Russa de Nossa Senhora da Anunciação. Com informações de EFE
Fonte: Gospel Prime

Total de visualizações de página