terça-feira, 7 de abril de 2015

147 Cristãos são mortos no domingo de páscoa por terroristas muçulmanos em universidade


Um novo atentado terrorista contra cristãos deixou 147 pessoas mortas no Quênia, no último domingo, 05 de abril. A autoria foi reivindicada pelo grupo extremista islâmico Al Shabaab.

O ataque foi realizado próximo à fronteira com a Somália, em uma universidade. Os terroristas entraram atirando no campus e fizeram professores e alunos reféns, antes de separá-los em grupos de muçulmanos e não-muçulmanos.

As agências de notícias internacionais informaram que imagens do massacre mostram corpos cobertos de sangue em uma sala da universidade. Ao ouvir os disparos, alguns estudantes tomaram a iniciativa de fugir. “Estávamos dormindo e ouvimos alguns tiros. Era um grupo em torno de cinco [terroristas] e as pessoas começaram a pular, correndo por suas vidas”, disse um estudante, que não quis se identificar, em entrevista à Reuters.

Uma estudante cristã que sobreviveu disse que estava em um grupo de oração quando começou o atentado. Amuna Geoffreys disse que se escondeu e conseguiu ouvir os diálogos entre os terroristas: “Os assassinos ordenavam que ligassem para suas casas para dizer aos pais: ‘Morremos porque Uhuru Kenyatta (presidente queniano) insiste em permanecer na Somália’ Enquanto faziam as ligações eles os matavam”, relatou.

A data escolhida foi proposital, segundo os próprios terroristas: “Não tememos a morte, para nós é como ir de férias na Páscoa”, diziam os extremistas islâmicos segundo relato da estudante, fazendo referência ao feriado cristão celebrado no último domingo.


As autoridades quenianas ofereceram recompensa equivalente a US$ 215 mil dólares por informações que levem à prisão de Mohamed Mohamud, líder do ataque do Al Shabaab. O grupo é filiado à Al-Qaeda e foi fundado em 2004.

A escolha do termo “shabaab” (“juventude”) como nome é comum a diversos grupos de jovens muçulmanos ao redor do mundo, o que pode causar confusão com outras organizações religiosas de nome idêntico, porém sem atuação terrorista.

Fonte:http://noticias.gospelmais.com.br/

Total de visualizações de página